28 de janeiro de 2017

Filme Moana - Um mar de aventuras


Olá, leitores! Ando tão longe daqui... A inspiração às vezes não vem, algumas situações não me animam muito. Porém, confesso que quando fui convidada pra ver Moana - Um mar de aventuras, essa semana, senti que ia rolar uma mudança! Estava certa, o sexto sentido não falha... 

        O filme começa com a narração da avó de Moana, a provável habitante mais velha de uma ilha da Oceania. Ela é como um objeto desenvolvedor da narrativa, é ela quem nos leva para a essência da animação e que guia Moana para seu destino. A velhinha conta a história de um semideus superpoderoso que se aventurava por todos os mares, mas que tinha uma perigosa ambição: roubar o coração de uma ilha, que era a personificação de deusa da fertilidade. É difícil identificar de qual crença o filme se baseia, pois é relatada com bastante inocência e naturalidade. 
        Esse semideus se chama Maui e, por ser tão corajoso e egoísta, com ajuda de seu bastão feito por deuses, que podem transformá-lo em qualquer animal que ele desejar, consegue roubar o coração da deusa, uma pedrinha verde e brilhante. Entretanto, no exato momento que ele a rouba, as florestas começam a ficar negras, as plantas murcham e os frutos apodrecem... Tudo está morrendo, assim como a deusa. Logo, um demônio de lava horrível, que tenta lutar contra ele, e vence, deixando Maui cair no fundo do mar junto com o bastão e a pedra verde brilhante.
         É essa a história que Moana está escutando da avó, junto com seus amigos e parentes, também bem pequenos, quando o mar a atrai pela primeira vez. Primeiro uma concha aparece, em seguida, outra, depois, outra... e quando a pequena vê, já está dentro do mar, só que sem se molhar, pois ele se abre para ela. Seus parentes mais próximos tem total consciência da atração de Moana pelo mar e a reciprocidade disso, inclusive seu porquinho e seu galinho de estimação. 
        A garotinha vai crescendo e uma parte muito interessante é contada: ela vai ser a nova chefe da tribo!! Ela, a menina, a única filha de Waialiki pai... Vocês entendem minha paixão? Pela primeira vez, uma princesa da Disney não vai precisar casar para que, então, seu marido a torne rainha... Moana só precisa colacar sua pedra em cima de todas as outras pedras dos chefes ancestrais da tribo. Mas, não é tão simples assim, ela ainda não está preparada, até porque o mar é seu destino e ela só precisa que a vó lhe mostre do que a família Waialiki era feita muitos e muitos anos atrás: viajantes! Moana se apaixona pela própria história e vê quem ela realmente é. Nesse mesmo momento, uma brecha é aberta para que ela siga pelos mares, um caminho nada fácil: encontrar Maui, colocá-lo em seu pequeno barco e recuperar o coração da ilha, colocando-o em seu devido lugar, 
        Enfim, o filme é muito diferente dos outros contos de fadas. É lindo a seu modo, se tornou meu segundo preferido, e tive outros dois personagens engraçadissímos: Maui e o galinho. Maui é super narcisista, tem até uma tatuagem que fala com ele mesmo (vocês vão ver). Já o galinho, bem, tive que pedir ajuda de um aluno muito amável que me disse: Moana tem um galinho muito doidinho, né, tia? hahahahaha Nem preciso dizer nada, não? O filme é incrível! Vejam!

Um comentário:

  1. Ja ouvi falar deste liro porem nunca assisti, quero parece ser um filme bem legal principalmente para criança parabens pela resenha

    ResponderExcluir