17 de outubro de 2016

Literatura nacional: Depois Daquela Viagem

Oi gente, tudo bem?
Quem me conhece sabe que tenho uma grande admiração pela leitura nacional, e claro que minha estante tem um lugarzinho especial para esses livros. Aí eu pensei, porque o blog também não poderia ter né?!
Sendo assim, a partir de hoje todas as segundas eu estarei postando um livro nacional que acredito que vale a pena ler.
O livro que escolhi hoje foi um que li a bastante tempo atrás e pouco conhecido atualmente.

Sinopse: No tom coloquial próprio dos jovens, Valéria relata com bom humor e desconstraçao as farras com a turma de amigos, a dúvida entre “ficar” ou namorar, o despertar da sexualidade, a angústia diante do vestibular e muitas outras coisas que atormentam qualquer adolescente. Tudo isso seria perfeitamente natural se não fosse por um pequeno detalhe que iria fazer uma enorme diferença: Valéria contraiu AIDS aos 16 anos porque, segundo ela mesma, “transei sem camisinha”.
Neste livro, ela ,ostra como, de repente, por causa de quatro letrinhas, sua vida passou por uma reavaliação radical. Ela expõe, sem meias palavras, como a doença mexeu com sua cabeça e com seus sentimentos.
Terminada a leitura, fica clara sua resolução de preservar sua condição de ser humano a todo custo, ao mesmo tempo que se esforça para humanizar a todos que cruzam seu caminho.
Depois Daquela Viagem é um livro triste e alegre, tocante e verdadeiro, um testemunho da coragem e da determinação de levar adiante a vida, apesar da AIDS.

“Lá fora é noite e faz escuro. E perdida na lua está a lua. E perdida nessa imensidão estou eu.”

Primeiramente gostaria de dizer que Depois Daquele Viagem não se trata de um livro de ficção, ele conta a história real de uma garota que teve que aprender a viver com a AIDS na década de 80, época em que a doença era tratada como um imenso tabu, e também época que as informações se confundiam antes de chegar aos portadores da doença.
Eu li o livro quando tinha aproximadamente 15 anos para um trabalho escolar sobre doenças sexualmente transmissíveis, na verdade li o livro como complemento ao trabalho, e inicialmente nem passou pela minha cabeça que eu pudesse de fato gostar do livro.
Depois Daquela Viagem é aquele tipo de livro que chega de mansinho e aos poucos vai te ganhando, e te emocionando com a história ali presente, claro que comigo não poderia ser diferente, tanto que o livro se tornou um dos meus favoritos, trazendo lições que até hoje carrego comigo.

“Sentir-se sozinha quando se está sozinha é ruim. Mas sentir-se sozinha quando se está com alguém é infinitamente pior.”

Muita gente que já teve a oportunidade de ler este livro se pergunta se Valéria ainda esta viva. E sim, ela esta. Recentemente (não tão recente assim), no dia 26/02/2016 ela publicou em seu blog um texto onde fala exatamente sobre isso, vou deixar um trecho aqui para vocês, junto com o link do texto completo.

“Vira e mexe as pessoas me procuram com essa pergunta: ‘Se ainda estou viva’. Sim! Vivinha da Silva. Trilhando meus caminhos por esse planeta, acabo de fazer 45 anos (com HIV há 29). Tomando o coquetel diariamente, fazendo exercícios físicos, me cuidando. Algumas coisas mudaram (leia mais)...”

Bom gente, essa foi a indicação nacional de hoje, espero que tenham gostado... E vocês têm algum livro para indicar? Sim? Então não se esqueça de deixar o nome aqui nos comentários e até o próximo post :*

Um comentário:

  1. Já li esse livro a mil anos atrás e lembro que ele foi bem marcante para mim.
    Tenho na estante e pretendo reler assim que possível Adorei vê-lo por aqui.
    Sucesso pela nova coluna. Abração.

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir