4 de setembro de 2016

Resenha: O Coração da Esfinge


Título: O Coração da Esfinge
Autora: Collen Houck
Editora: Arqueiro
Páginas: 367
Sinopse: Lily Young achou que viajar pelo mundo com um príncipe egípcio tinha sido sua maior aventura. Mas a grande jornada de sua vida ainda está para começar.
Depois que Amon e Lily se separaram  de maneira trágica, ele se transportou para o mundo dos mortos - aquilo que os mortais chamam de inferno. Atormentado pela perda de seu grande e único amor, ele prefere viver em agonia a recorrer à energia vital dela mais uma vez.
Arrasada, Lily vai se refugiar na fazenda da avó. Mesmo em outra dimensão, ela ainda consegue sentir a dor de Amon, e nunca deixa de sonhar com o sofrimento infinito de seu amado. Isso porque, antes de partir, Amon deu uma coisa muito especial a ela: um amuleto que os conecta, mesmo em mundos opostos.
Com a ajuda do deus da mumificação, Lily vai descobrir que deve usar esse objeto para libertar o príncipe egípcio e salvar seus reinos da escuridão e do caos. Resta saber se ela estará pronta para fazer o que for preciso.
Nesta sequência de O Despertar do Príncipe, o lado mais sombrio e secreto da mitologia egípcia é explorado com um romance apaixonante, cenas de tirar o fôlego e reviravoltas assombrosas.




Resenha:

Gosto muito de livros de fantasia, ficção, aventura, mas claro que tudo tem que ser dentro de um delicioso romance. Me apaixonei pela saga A Maldição do Tigre por conter tudo isso e muito mais, a partir daí comecei a acompanhar as obras da autora. Fiz uma resenha aqui no blog sobre o primeiro livro da saga Deuses do Egito - O Despertar do Príncipe. Não foi amor a primeira vista como aconteceu com "os tigres", mas numa segunda leitura me encantei com Amon e Lily.

Esperei ansiosamente pelo lançamento do segundo livro O Coração da Esfinge e posso dizer que fiquei decepcionada. Nem mesmo ao reler seria capaz de me encantar... O livro tem uma pesquisa rica e profunda sobre as mitologias do Egito e até mesmo sobre a mitologia Grega, como sempre Collen caprichou nas pesquisas. A história vem carregada de muitos acontecimentos, melhor dizer sobrecarregada. O romance entre Amon e Lily (que deu origem a tudo) ficou esquecido, perdido. Me senti lendo os livros de Percy Jackson, é tanta loucura acontecendo, que a gente acaba cansando um pouco, virou um "saladão" de monstros e coisas bizarras com muitos mitos misturados.

Bem, no início fiquei empolgada com o prólogo porque Lily continuou ligada a Amon pelo escaravelho do coração (super romântico isso), então ela conseguia vê-lo em seus sonhos, conversar com ele e saber onde ele estava. Foi aí que ela descobriu que quando os deuses quiseram pesar o seu coração (que ficou com ela), ele pulou com a ajuda do Olho de Horus para o Mundo dos Mortos (seria o inferno). Lá ele estava definhando e correndo grandes perigos, inclusive de encontrar com a Devoradora de Almas e ser sugado por muito tempo, o que afetaria também seus irmãos e Lily.


"Ele estava exausto e com muita dor, e não somente física. Imaginei se Amon sentia tanto a minha falta quanto eu a dele.
- Amon? - sussurrei, involuntariamente.
No sonho ele se imobilizou e olhou em volta, os olhos brilhando na escuridão com a luz verde iridescente."


 Anúbis aparece para buscar Lily dizendo que ela precisa resgatar Amon do Mundo dos Mortos. Devido a ligação entre eles, só ela poderá encontrá-lo, e caso não consiga, muita coisa ruim poderá acontecer com os dois mundos.

Para enfrentar tudo o que vem pela frente ela precisa virar esfinge e o processo para isso foi muito complicado e perigoso. Agora Lily não é apenas Lily, mas dentro dela também vive uma leoa (muito assanhada por sinal), a leoa Tia.


"Quando assenti e figurativamente entreguei as chaves a Tia, a sensação foi estranha. De algum modo, fiquei menor. Era como se estivesse vendo as coisas de longe. Não era uma sensação assustadora. Na verdade, eu me sentia protegida, como se estivesse enrolada em um cobertor quente e pudesse simplesmente me recostar e deixar outra pessoas assumir as rédeas, para variar."


O amuleto do coração faz com que todos fiquem loucos de amor por Lily/Tia = Esfinge. E o deus Horus é um dos coitados, de uma longa lista, que mal conseguem se controlar.
Essa atração facilita algumas coisas para Lily, mas complica muitas outras. O amor dela e Amon começou a ficar esquecido a partir daí na história, porque a moça bem que gostou dos "chamegos" do deus.

Enfim, a história segue repleta de coisas acontecendo constantemente. Lily consegue chegar ao Mundo dos Mortos com os irmãos de Amon, Asten e Ahmose. Asten passou por um julgamento e devido ao peso das suas culpas e pecados acabou indo para o "inferno" e servindo de passaporte para Lily e Ahmose.
No meio de toda busca para resgatar Amon (quase nunca lembrado por Lily), a moça e Asten estão cada vez mais encantados um pelo outro e mal conseguem se controlar. A leoa Tia ficou caidinha pelo deus das estrelas, mas Tia e Lily agora são duas em uma, e a namorada de Amon sente todos os efeitos da atração da leoa.


"Anúbis disse que você tem uma conexão com os três irmãos. Talvez isso seja resultado dessa conexão. Em momentos de estresse, uma leoa procura seu protetor e se une a quem defende o bando."


"Asten ergueu a cabeça, chamas brilhando em seus olhos. Ele também queria, eu podia sentir. O espaço à nossa volta parecia febril e frenético. Inclinei a cabeça e o puxei para mais perto, seus lábios apenas a centímetros dos meus."


Enquanto isso, Amon já havia sido encontrado pela terrível Devoradora de Almas e estava sendo constantemente torturado e sugado. 
Numa das lutas com monstros ceifadores, Asten é picado na perna e precisa de um unguento produzido apenas pela árvore mãe para sobreviver. Eles partem em busca da cura, enfrentando uma porção de perigos (como a cada linha do livro).
Essa árvore (um ser maravilhoso e bom) é guardado por uma fada (boa e temperamental), elas se amam e se protegem e foram parar nesse terrível lugar por terem sido enganadas.
Lily pede o unguento a fada que se recusa a dá-lo, alegando que ela pode estar mentindo e o unguento é o que protege a árvore e o que está em volta das criaturas maléficas daquele mundo.
Indo contra a vontade da fadinha, a árvore muito generosa dá o que a moça precisa para salvar Asten.

A Devoradora de Almas persegue o trio durante todo o tempo, porque Amon e eles são ligados pela mesma força e ela precisa do coração de todos eles.
Descobrindo que a árvore ajudou Lily ela manda seus monstros atacarem e matá-la. Lily e os irmãos não chegam a tempo de salvar a boa árvore, que antes de morrer pede que Lily proteja a fada que estava muito queimada e sofrendo. Nesse processo a fada também incorpora-se a Lily. Sim, são 3 em 1!!!! Pura confusão.

"Balancei a cabeça ligeiramente como se quisesse clarear a névoa.
- A fada? Ah. Sim. O nome dela era Ashleigh - acrescentei, melancólica.
- Ashleigh. É um nome bonito - disse ele.
- Era. - Assenti. - Agora não sei direito como me chamar.
- Como se chamar? Como assim? -  perguntou Ahmose.
- O que? - Pisquei, confusa, e uma névoa pareceu se dissipar dentro de mim.
- Você disse que não sabia como se chamar."

A confusão está formada porque como Lily ama Amon, Tia ama Asten, a fada Ashleigh, que agora também faz parte de Lily se encanta por Ahmose. 
As três juntas representam a profecia guardada pelos deuses e são algo muito especial, eles partem em busca de Amon e a batalha começa.

Como disse o livro é rico em mitologias, mas são muitas que se misturam e confundem em meio a uma história super sinistra com monstros terríveis e uma confusão absurda da Lily encantando todo mundo e se "apaixonando" por todo mundo. A garota tirou várias "casquinhas" dos belos imortais. Nesse ponto o romance se perdeu total no livro...
Achei o final super abrupto, como se encerrasse no meio de um capítulo.









15 comentários:

  1. Ainda não li essa série, mas acredito que irei gostar. Li toda a saga de A Maldição do Tigre e me encantei logo no primeiro capítulo, a autora tem um talento incrível para histórias desse gênero.
    Uma coisa que irei tentar fazer assim que tiver O Despertar do Príncipe em mãos, é não comparar o mesmo com a saga A Maldição do Tigre. Pode até ser gêneros iguais, mas acredito que sejam histórias diferentes.
    Enfim, amei a resenha! Rápida e direta, gosto de resenhas assim!

    Te espero no meu cantinho também, viu? Sucesso com o blog sempre! <3
    floraliteraria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oii,
    Até hoje eu não li nada da Collen Houck, tenho muita vontade de ler a saga do Tigre, mas ainda não tive a oportunidade.
    Eu não conhecia essa outra série da autora, pelo que eu li da sua resenha não me despertou MUITO a atenção. Leria? Sim, mas sem muitas expectativas.
    E que pena que suas expectativas não foram tão alcançadas.

    Beijos!
    http://lendocomobiel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Tenho visto tanta resenha desse livro que parece que já conheço a história do início ao fim. A verdade é que as opiniões estão bem ambivalentes, uns dizem que é muito bom, outros dizem que nem tanto assim. Mas todos concordam, incluindo você: é tanta coisa misturada que chega a ser uma coisa louca e sem sentido. Eu nunca li nada de mitologia, nem mesmo percy Jackson, mas adoraria começar por algum lugar. Uma pena que o romance se perdeu nesse livro, ele parecia realmente ter bastante potencial.
    Um abraçO!

    https://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Karina! Tudo bem?
    Adorei sua resenha, mas essa autora não desperta minha curiosidade para ler seus livros. Sei que ela tem muitos fãs e que seus livros são super comentados, mas pra mim não... Quem sabe em outro momento!
    Bj

    ResponderExcluir
  5. Eu tenho curiosidade em ler essa série. As capas são bem diferentes e bonitas também. Acho o enredo com muitos atrativos e provavelmente será uma leitura que eu vou gostar de realizar. Engraçado que quando vi o primeiro livro eu não me interessei logo.

    ResponderExcluir
  6. Olá Karina,
    Li a Saga dos tigres e me encantei muito pelo que a autora fez. De certo modo, não sabia o que esperar dessa série, mas ler sua resenha foi meio que tomar um banho de água fria. Acho que a autora tentou colocar muitas informações e acabou se perdendo e não conseguindo trabalhar isso bem. Sobre o romance, acho que, às vezes, é preciso deixar ele de lado para atingir um objetivo.
    Vou continuar querendo ler, mas já sei que não devo esperar muito.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  7. Oi Karina!
    EU já li o primeiro, mas do mesmo jeito que você, não me fisgou como a saga do tigre. Infelizmente. Fiquei bem desmotivada pra ler a sequência, não li Percy, mas informações demais jogadas me deixam um tanto quanto chateada. O romance esquecido então? Não gostei muito da submissão da Lili para com os seus pais, como foi isso nesse livro?
    Mas enfim, fiquei curiosa e receosa com essa leoa Tia dentro de Lili. Ela sente atração por outro e a protagonista pelo Amon, essa foi a tentativa da Colleen fazer um triângulo? vixe! rs
    E esse final, ein? Não sei se quero ler a sequência mais não.
    Abçs

    ResponderExcluir
  8. Oi, flor.
    Olha, senti uma pequena parcela de spoiler na sua resenha (?). Mas não tem problema se tiver, pois não me interesso em ler essa série. Que pena que o segundo volume te decepcionou tanto assim. Acho que a autora perdeu o bom senso ao tentar equilibrar tantos elementos paralelos em uma única história. Querendo dar foco em tudo, acabou por deixar as coisas um tanto desconectadas. Bem, não acho que lerei. Depois da sua opinião, não pretendo investir na série.

    Beijos!
    www.myqueenside.com.br

    ResponderExcluir
  9. Olá, eu li o primeiro livro de A maldição do tigre e tinha ficado encantada pela forma como a autora mistura mitologia e romance, mas pela "enrolação" pra terminar a série eu acabei me desanimando um pouco de continuar lendo os livros da série. Estava curiosa para ler essa outra série, o primeiro livro me deixou bem curiosa, mas ao saber que esse segundo tem excesso de acontecimentos e que termina de forma abrupta, acho que vou esperar toda a série ser lançada para depois resolver ler.
    Ótima resenha!

    ResponderExcluir
  10. Olá, eu nunca li a série mas já ouvi falar muito bem da autora e da sua escrita. Adorei a resenha e fiquei super interessada!
    Beijos, Lari.
    segredosdeumacerejeira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Olá! Eu não conhecia o livro ou a série. Confesso que não é o meu tipo de leitura preferida, mas adorei as observações da sua resenha! Parabéns!

    Bjs,
    Yohana Sanfer
    http://www.papelpalavracoracao.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá!! :)

    Eu não conhecia o livro mas quero muito ler algo de Collen Houck bem depressinha!! :) ahah Eu adoro mitologias...!

    Gostei da historia e do que ela pareceu oferecer... Tenho pena que fique assim tao confuso...! E que não tenhas gostado assim tanto! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  13. Oi Karina, eu não conhecia esse livro, mas confesso que achei um pouco confusa essa história de 3 em 1 e de tantos romances embolados, não parece que isso agrega muito para a história, sabe? Mas gosto muito das histórias da mitologia grega e sempre quero ler mais sobre esse assunto. :)
    beijos

    ResponderExcluir
  14. Eu também sou apaixonada por livros que envolvam romance com fantasia, ficção e aventura, mas é preciso um imenso cuidado do autor ao colocar esses elementos na história pq senão acontece o que você citou nesse livro: muita informação que acaba gerando confusão. Também fiquei perdida em alguns livros do Percy Jackson, mesmo assim talvez leria porque envolve mitologia :)

    ResponderExcluir
  15. Eu fiquei bem curiosa para ler essa série, mas eu me decepcionei muito com a anterior da autora e achei que seria melhor esperar antes de arriscar de novo.
    Ler sua resenha, me fez ficar curiosa, mas ao mesmo tempo me deu a certeza de que não é muito a minha praia no momento. Essa coisa de tirar lasquinha não me incomoda, mas quando isso mostra o quanto se perde no romance da história vejo como uma coisa ruim. E outra, não é só na moda que menos é mais... ao colocar tanta coisa me pareceu que não seria difícil se perder no meio das informações - e senti que é isso que acontece...
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir