3 de junho de 2016

Nana

Olá !
Hoje vou falar sobre o anime e o mangá Nana, história da autora Ai Yazawa que traz a tona problemas reais do dia-a-dia e como duas mulheres lidam com situações adversas e aos poucos vão se adaptando á vida adulta.


História


Conta a história de duas jovens que possuem o mesmo nome, Nana, (Nana significa "sete" em japonês, e é tido como o número do azar no Japão) e apesar das personalidades serem totalmente opostas, elas acabam criando uma grande amizade no decorrer dos episódios/capítulos. 
Nana Komatsu e Nana Osaki se conhecem a bordo de um trem com direção á Tóquio, ambas com diversas expectativas sobre a nova vida em uma cidade grande e passando por uma fase de mudanças emocionais agora que são completamente responsáveis por elas mesmas. 
Com diversas reviravoltas, as duas acabam virando companheiras de apartamento e precisam aprender a lidar com as personalidades diferentes. 
Nana Osaki é vocalista em uma banda de punk rock, possuí um estilo extravagante e costuma ser fria sobre os seus sentimentos por mais que eles existam e incomodem. Ela é independente, persistente sobre o seu sonho de cantar e carrega com ela uma história de amor passada que virá a tona novamente em Tóquio. Com o passar dos episódios/capítulos fica evidente que o jeito mandona e frio é só uma proteção vinda de experiências negativas.
Já Nana Komatsu é totalmente o oposto, demonstra os sentimentos com frequência e se apaixona com facilidade, não tendo sorte nos relacionamentos. Por vezes, apresenta um comportamento infantil, agitado e carente de atenção, mas está sempre disposta a dar o seu melhor por aqueles que ama, sendo apelidada de Hachiko (cachorro, em japonês).
Além da convivência entre as duas, o enredo também retrata outros acontecimentos que afetam suas vidas, como lembranças e histórias passadas, traições, casos mal resolvidos, indecisões, inseguranças, adaptação a novos empregos e até mesmo uma gravidez inesperada.

Mangá



Ficha técnica do Mangá
Título: Nana
Autora: Ai Yazawa
Gênero: Romance, drama
Volumes: 21
Editora: Shueisha Inc.
Revista: Cookie
Editora lusófona: JBC
Período de publicação: 2000 - 2009 (em hiatus)


Anime


O anime é considerado um shõjo (pequena garota) em que o publico alvo é feminino (de 12 a 18 anos), porém por muitos é tido como josei, um gênero de animação voltado para mulheres adultas, que retrata de forma complexa, as desventuras nos relacionamentos amorosos, os problemas financeiros e outras diversas complicações dessa fase da vida.
É um anime que condiz com situações reais que afetam diversas mulheres, despertam variadas emoções e trata de assuntos delicados de uma forma aberta. 
O que mais é evidenciado no enredo é a amizade entre as duas, em que por mais que a vida esteja uma completa bagunça, elas continuam sendo o apoio uma da outra. 
O anime de Nana é baseado nos mangás (quadrinhos em estilo japonês), que foi publicado entre 2000 e 2009, na revista Cookie,  após esse período a história entrou em hiatus devido a problemas de saúde da autora. Segundo uma edição da Shueisha Inc, editora que publica o mangá no Japão, Yazawa acabou se decidindo por abandonar a série definitivamente. Existiam boatos de que uma segunda temporada do anime poderia ser produzida caso a autora voltasse a escrever, agora cabe ao estúdio decidir se uma outra temporada de Nana vale a pena. 

Ficha técnica do anime
Título: Nana
Autora: Ai Yazawa
Gênero: Shõjo, Josei
Número de episódios: 47
Emissora de TV: NTV
Direção: Morio Asaka
Estúdio: Madhouse
Período de emissão: 5 de abril de 2006 à 27 de Março de 2007


Foi um anime que me emocionou bastante, pois  apresenta as situações através do ponto de vista feminino, fazendo com que por diversas vezes, eu me identificasse com algum acontecimento ou algum modo de pensar. Por ter cenas cômicas e um ar descontraído, além de muita música, o anime não fica tedioso ou parado, tendo sempre algo acontecendo na vida das personagens e um desenrolar excelente entre os episódios.
Além do enredo muito bem elaborado, o anime conta com outro ponto positivo: a trilha sonora.
Grandes cantoras foram chamadas para dar voz as músicas de algumas personagens do anime, como Anna Tsuchiya, que deu voz á algumas músicas de Nana Osaki, e Olivia Lufkin que cantou como a personagem Reira, vocalista da banda concorrente da de Nana Osaki. A trilha rendeu um grande sucesso, não só no Japão, mas também em outros lugares do mundo, e as cantoras tiveram turnês para divulgar o anime de Nana.
A história também rendeu dois filmes que tiveram uma ótima recepção nas bilheterias japonesas.
Particularmente, estou satisfeita com o final da primeira temporada, por mais difícil que possa ter sido aceitar certas decisões das personagens (no meu caso, a decisão amorosa da Nana Komatsu), no fim das contas cada uma delas fez o que o julgou ser o certo e conviveram com as consequências tanto positivas como negativas de suas escolhas, assim como acontece conosco no dia-a-dia. Isso mostra que as vezes é preciso agir com completa maturidade e ignorar certos sentimentos. Nem tudo pode ser do jeito que queremos que seja, não é? Isso é uma lição valiosa que tiramos desses acontecimentos. Seguir o que é melhor pra você ou o que você quer a qualquer custo mesmo que não te faça bem? São alguns dos questionamentos que me fiz após terminar de ver Nana.
Quem tiver um tempo, veja o anime ou leia o mangá, é uma história que vale muito a pena.



3 comentários:

  1. Amei. Sou apaixonada por anime/mangá e nunca assisti/li esse, mas fiquei com vontade. :)

    ResponderExcluir
  2. Amei. Sou apaixonada por anime/mangá e nunca assisti/li esse, mas fiquei com vontade. :)

    ResponderExcluir
  3. Animes que trazem essa carga emocional e transparecem o que cada um de nós podemos sentir, com certeza tem uma grande influência em quem assiste.. Um ótimo comentário; até pra mim que não sou tão fã do gênero, daria uma chance e começaria a assistir.

    ResponderExcluir