Light Grey Pointer Uma vida Literária : Resenha: O retrato oval

17 de dezembro de 2016

Resenha: O retrato oval

Título: O retrato Oval
Autor: Edgar Allan Poe
Editora: Cedic
Páginas: 45
Projeto 12 meses de Poe - Dezembro
Resenha: Mais um dos Contos de Terror Mistério e Morte, de Edgar Allan Poe, O retrato oval, assim como todos os outros contos de Poe que já li, dispensa sinopses. A narrativa começa com a chegada de um homem e seu criado num castelo antigo e abandonado. Ambos estão machucados, não se conta o motivo durante a história, e decidem passar a noite ali. Depois de escolherem um dos inúmeros quartos do lugar, o cavalheiro pede ao seu criado que deixe as cortinas abertas e os candelabros, perto da cama, acesos, pois queria observar as paredes repletas de quadros, enquanto lia um pequeno livro pousado no criado-mudo, que falava sobre cada obra no quarto pendurada. Fez isso por horas até, finalmente, se esgotar. Entretanto, ao recolocar o livreto no lugar, o homem acaba redirecionando a luz de uma das velas para um canto antes escuro e vê um retrato de formato oval de uma jovem com bonitos e vívidos traços, que logo despertou o interesse dele. 

"Do que então vi claramente não poderia nem deveria duvidar. Porque o primeiro clarão das velas sobre aquele quadro como que dissipou o sonolento torpor que furtivamente se apossava de meus sentidos e sem demora me pôs completamente desperto."

A fim de saber sobre aquele quadro, o homem procurou pela descrição e achou o trecho, que começava assim: "Era uma donzela da mais rara beleza e não só amável como cheia de alegria", exatamente o que o quadro lhe passou. Porém, o decorrer da história é um tanto sorumbático. A moça apaixonou-se perdidamente pelo pintor, enquanto este já era tão maravilhado com a Arte, que mal tinha olhos para quaisquer outras coisas que não fossem paleta, pincel e tela. Mesmo assim, o artista não deixou de notar a especial beleza da que se tornou sua esposa, e decidiu por pintá-la. Hora após hora, dia após dia, o pintor trabalhava na tela, com sua submissa e encantadora modelo estática sob a luz que lhe caía. Miseravelmente, a bela moça cedia a própria vitalidade para a pintura, com a esperança de receber em troca a tão desejada atenção do amado, mesmo que inutilmente. 

Apesar de concordar que Edgar Allan Poe tem um alto nível de "macabrez", consegui, pela primeira vez, não sentir uma pertubação ruim no final, mas sim um sentimento de pena. Mesmo que Poe seguisse uma outra linha do Romantismo, vi uma característica bem batida do movimento literário: a prevalência do amor. O pintor não abre mão, hora alguma, do amor que sente pela sua habilidade artística; a mulher, mesmo definhando, permanece imóvel até que o amado acabe a obra, mesmo que isso lhe custasse caro demais. 


Infelizmente, é o último mês do Projeto 12 Meses de Poe e O retrato oval foi a última resenha. Adorei conhecer mais 12 contos dele, virei fã e quero escrever assim quando crescer rs. 

6 comentários:

  1. Olá
    Ainda não conhecia o autor, e parece ter contos incríeis...
    Infelizmente só vi esse seu último post, então vou dar uma conferida nos outros.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá! Poe é um mestre nesse gênero, li O Gato Preto e fiquei um tanto incomodada, me dava agonia rsrsrs Gostei da premissa desse conto e vou procurar para ler. Gostei desse projeto do Poe, conheci diversos contos dele, beijos!

    ResponderExcluir
  3. Olá, isso que vou escrever aqui é uma vergonha, mas "ainda não li nada do autor". Sempre vejo ótimas críticas sobre suas obras, mas ainda não tive a oportunidade de conferir nenhuma.

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Oi Isa, sua linda, tudo bem?
    Achei esse projeto muito legal. Até porque apesar de ser um autor muito conhecido, ele não era muito falado nos blogs. Achei esse conto triste e o pintor um pouco egoísta, mas era muito comum os artistas só pensaram e viverem por sua arte. Gostei da sua resenha!!! Vocês poderiam continuar com o projeto, escolhendo outro autor.
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  5. OI Isa!

    Olha nunca li nada do Poe embora tenha acompanhado esse projeto. Mesmo sabendo o quão maravilhoso sua escrita é ainda não me senti contagiada por seus contos, por exemplo, você conseguiu colocar com maestria a moral da estória e mesmo assim não me sinto compelida a ler. Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Olá Isa
    Li só um conto de Poe e gostei bastante e esse que você trouxe parece serm bem interessante também. Vou procurar para lê-lo pois preciso saber como termina, apesar de já ter uma ideia.
    Adorei o conto, e parabens pelos posts sobre Poe.
    Beijuh

    ResponderExcluir