Light Grey Pointer Uma vida Literária : O Conceito de Família

22 de novembro de 2016

O Conceito de Família

Gentileza gera gentileza? Só se fosse na rua.
Nunca consegui entender o porquê gentileza gerava tanta fúria dentro de casa.
Minha mãe sempre recebeu meu pai com um beijo de boa noite e um prato farto de comida, às vezes ele chegava e nem se quer falava com ela, comigo e com meus irmãos. Só sentava na mesa, comia e ia dormir.
Era até bom quando ele ia dormir, por mais que às vezes, eu tivesse que visualizar minha mãe aos prantos com o pano de pratos nas mãos.
Ruim mesmo era quando ele comia, pegava o carro e voltava de madrugada; chegava com um cheiro muito forte de álcool, marcas de batom e uma agressividade gigantesca, lembro de muitas vezes me esconder quando ouvia o carro chegando, mas lembrava da minha mãe logo em seguida e ia ficar com ela.
Era o mais velho de 3 irmãos, Paulo e Vitor tinham 3 e 5 anos, eu tinha 13. Por isso, me sentia o responsável por minha mãe nos dias que meu pai não era mais meu pai, entrava no meio das brigas, levava porrada na cara junto com minha mãe. Olho roxo era rotina.
- Mãe, conta para alguém, pede ajuda!
- Não, Vinicius. Ele vai descobrir e será pior. Por favor, não conte para ninguém.
- Tá bom. (Secando as lágrimas)
A casa era escura e bem pequena, estava mal acabada e cheirava mofo.
Meu pai sempre me oferecia cerveja, mas eu rejeitava, tinha o maior medo de me tornar monstro e bater na minha mãe e nos meus irmãos. Como se o álcool fosse alguma fórmula maligna transformadora.
Era um filme de terror.
Ah, certo dia, vi pela janela de meu quarto meu pai na garagem cheirando uma calcinha, dentro do carro, parecia estar em êxtase. Quando entrou em casa, seu rosto era outro. (Jamais vou esquecer essa cena, jamais.)
Meus irmãos se encolhiam, não eram muito de conversar, sempre tiveram medo de falar alguma coisa.
A comida tinha sempre o mesmo sabor, era sempre sem sal e bem cozida - sempre acreditei que quando tinha um pouco mais de sal, era o sal das lágrimas da minha mãe.
Minha infância foi bem difícil. Meus irmãos também sofreram muito.
Hoje, 13 anos depois, sou casado e tenho 2 lindos filhos, um casal. Eu daria minha vida por eles. Dentre as escolas da vida e no serviço que consegui, aprendi o que era o conceito real de família. Com minha mãe aprendi o que é amor: Quando ela se calava para o nosso cotidiano não piorar.
O ex marido da minha mãe me ensinou a ser exatamente o oposto dele. Minha mãe? Está ali no quintal brincando com minha filha.
Hoje sou um homem feliz, que definitivamente não teve pai.
Ele foi embora com uma mulher mais nova, deixou tudo para trás, mas sinceramente, fiquei feliz.
Meus irmãos?
Paulo é traficante de drogas, está irreconhecível, não aceita nossa ajuda, tem 5 filhos cujo uma das mães, ele matou. É um dos mandantes na favela em que hoje reside e Vitor... Faleceu durante uma briga, na porta de um bar.
Não culpo Paulo e lamentamos diariamente por Vitor.
Tocamos a vida, fazendo das tripas coração para proporcionar a maior paz e a maior quantidade de amor que existe aos nossos familiares.
Isso aqui sim é uma família.
Aqui, gentileza gera gentileza.
- Juliane França.

4 comentários:

  1. Que texto profundo e pesado, mas infelizmente realidade de muitos. :/

    ResponderExcluir
  2. Textos profundos demais para serem lidos rapidamente. Aí aí. Senti umas dores aqui e lembrei da infância. Pelo menos nos primeiros 15 anos de casamento minha mãe sofreu com isso, mas, Meu pai era um pai incrível, ela não podia me deixar longe dele. E assim ela aguentou as pontas, sempre na esperança de ele mudar, e ele mudou. Desde a primeira vez Que ela ameaçou ele a Maria da penha, ele nunca mais encostou um dedo nela. Teve de virar o machão da rosa sendo um marido melhor do que os outros, o que fazia tudo pela família e que se importava. Há cinco anos atrás eles tiveram outro filho e hoje somos uma família melhor, e apesar dos muitos defeitos do meu pai, a violência não é mais um deles e apesar da mudança na vida da minha, as marcas do passado vão estar com ela, para sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tayana, sinto muito por esse seu passado, o qual será uma mancha eterna em seu coração. Mas ao mesmo tempo, fico feliz, por de certa forma ter acabado bem, pois há lares em que ocorrem horrores e até mesmo a morte.

      Excluir